Celso de Mello nega pedido para suspender votação sobre intervenção no RJ

20 de fevereiro de 2018, 0h03
Por Marcos de Vasconcellos
O presidente da República tem o poder para determinar intervenção federal de acordo com seu exclusivo juízo político, a partir de sua própria avaliação, não cabendo ao Judiciário avaliar a necessidade, utilidade ou conveniência do ato. Essa é a base da decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, ao negar o pedido de liminar feito pelo deputado federal Ivan Valente (Psol-SP) para suspender a análise pelo Congresso do decreto que determinou a intervenção federal no Rio de Janeiro.

Manifestação de conselhos é indispensável, mas pode ser feita depois de decretada a intervenção, afirma Celso de Mello.
A ação, impetrada na tarde desta segunda-feira (19/2), argumenta que, no documento enviado à Câmara no último dia 16, não estão as manifestações dos conselhos da República e de Defesa Nacional, conforme exige a Constituição Federal nesses casos. Assim, diz o Psol, os deputados se veem “obrigados a deliberar acerca do decreto de intervenção federal, um assunto extremamente delicado, sem qualquer explicação do Poder Executivo motivando tal medida”.
O decano do STF, no entanto, aponta que a Constituição diz que a manifestação dos conselhos é indispensável, tendo “conteúdo meramente opinativo”, mas não impõe que o pronunciamento seja feito antes da decretação da intervenção.
O ministro cita o livro Curso de Direito Constitucional, de seu colega de corte, Gilmar Mendes, junto com Paulo Gustavo Gonet Branco, que fala especificamente sobre a questão: “Não há por que, em caso de evidente urgência, exigir que a consulta seja prévia, já que as opiniões não são vinculantes e não perdem objeto nas intervenções que se prolongam no tempo, podendo mesmo sugerir rumos diversos dos que inicialmente adotados no ato de intervenção”.
Ao discutir o andamento do decreto no Congresso, também questionado por Valente, Celso de Mello aponta diversas decisões do Supremo segundo as quais a correção de desvios exclusivamente regimentais, por serem atos “interna corporis”, “refoge ao âmbito do controle jurisdicional”.
Ao discorrer sobre o instituto da intervenção federal, Celso de Mello cita o próprio presidente Michel Temer, em seu livro Elementos de Direito Constitucional. Segundo a obra, a intervenção “representa um elemento fundamental na própria formulação da doutrina do federalismo, que dele não pode prescindir”.

Marcos de Vasconcellos é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.
Revista Consultor Jurídico, 20 de fevereiro de 2018, 0h03

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s